Logo Projeto DSD Consultores

Administração, Finanças, Fiscal Tributária, Planejamento - 20/07/2021

Como saber quando a minha empresa vai mal financeiramente?

Não são os insights e improvisos que mantêm um negócio, mas o planejamento que o direciona.

Embora seja importante se reinventar quando surgem imprevistos, não são os insights e improvisos que mantêm um negócio, mas o planejamento que o direciona. Se as decisões financeiras são sempre tomadas conforme as necessidades imediatas, talvez você não perceba que a empresa vai mal enquanto há tempo para salvá-la.

Por isso, hoje vou compartilhar com você um trecho de uma entrevista gravada pela KLA Educação Empresarial em que menciono situações comuns e financeiramente temerárias. Assista ao vídeo pensando em sua gestão financeira para saber se este é o caso da sua empresa, também.

3 pilares que revelam quando a empresa vai mal

Como expliquei no vídeo acima, para ter sucesso dentro de uma empresa, é preciso ter uma visão estratégica em três frentes: gestão do negócio, banco e governo.

1. Gestão do negócio

Conhecer e saber interpretar os números do seu negócio é fundamental para acertar nas decisões relativas às finanças. Para tanto, você precisa ter conhecimento sobre tudo o que entra e sai do caixa, as datas e os motivos das transações realizadas e a realizar. Além disso, é importante que você faça comparativos entre o que estava previsto e o que foi realizado, para ajustar a estratégia conforme a realidade do negócio.

2. Banco

Acostumado a usar o cheque especial para cobrir “emergências” financeiras, o empresário brasileiro ainda dá pouca importância para as altas taxas de juros dos bancos. Assim, resolve problemas imediatos sem considerar as consequentes dívidas administrativas e, em vez de melhorar a situação, intensifica o desequilíbrio financeiro da empresa sem perceber. Neste caso, também é imprescindível entender os números e ter ciência das consequências de cada negociação para não perder dinheiro.

3. Governo

Concordando ou não, os impostos estão aí e precisam ser pagos, pois, se não o fizermos, uma hora a Receita Federal vai bater em nossa porta com a conta em aberto acrescida de uma multa que pode variar de 75% a 225%. Isso porque o Sistema de Escrituração Digital (SPED) tem fechado o cerco com a comparação de dados, impedindo que a sonegação de impostos passe despercebida. Sendo assim, em vez de apostar no “jeitinho brasileiro”, estude as opções de tributação, junto com o seu contador, e escolha a mais adequada ao seu negócio para pagar menos.

Mudança de cenário quando a empresa vai mal

A grande vantagem de compreender os números do negócio, do banco e do governo, é poder criar cenários financeiros que favorecem a empresa. Porque assim você identifica as causas dos problemas, podendo trabalhar nesses pontos para eliminar a falta de lucro e liquidez.

Esse é um caminho que funciona tanto em momentos que a empresa vai mal quanto na busca por melhores resultados financeiros, visando o seu crescimento. Afinal, não estamos falando de soluções paliativas, mas de planejamentos que possibilitam o controle financeiro contínuo e a implantação de medidas preventivas para situações inesperadas.

Escrito por:
Francisco Barbosa Neto

Diretor da DSD Consultores, iniciou sua atividades em 1989 com atuação em Gestão Empresarial. Como consultor, tem ajudado as pessoas a não perderem dinheiro com o seu negócio, mostrando uma nova maneira de pensar, agir e medir com relação à gestão financeira.