Arquivo da tag: gestão financeira

Os 4 relatórios fundamentais para o seu negócio

Com estes relatórios você poderá acertar nas decisões, tendo o controle das finanças da empresa.

Executivos digitando e fazendo anotações em relatórios fundamentais para o negócio

Você já ficou apreensivo ao tomar decisões quanto às finanças da empresa, temendo que algo desse errado lá na frente? Essa é uma preocupação comum do empresário brasileiro que não conhece os números do negócio. Entretanto, é possível acertar nas decisões, se você utilizar os 4 relatórios fundamentais para o seu negócio.

1. Planejamento Orçamentário

O planejamento orçamentário mostra uma previsão de quanto a empresa receberá pela venda bruta e quanto gastará com custo e despesa. Com esse relatório, é possível saber se futuramente a empresa terá o lucro desejado, baseado no quanto gostaria de ganhar.

Todavia, para que este relatório funcione, é importante entender os conceitos básicos de finanças relacionados diretamente com o planejamento orçamentário. Porque se você não souber qual o papel de cada um, não poderá organizá-los estrategicamente para garantir o resultado almejado.

• Venda Bruta: é a quantidade vendida, multiplicado pelo respectivo preço unitário;

• Custo: é o gasto com fornecedores de material (para empresas prestadoras de serviço), mercadoria (para empresas comerciais) e de matéria-prima, insumo e embalagem (para empresas industriais);

• Despesa: é o dinheiro gasto relativo às contas de (Venda, Administrativa e Financeira)

• Lucro: é o resultado de (Vendas Brutas – Custo – Despesa)

2. Demonstrativo de Resultado (DRE)

O demonstrativo de resultado é um documento que tem como função mostrar o lucro ou prejuízo da empresa no mês. Para isso, é feito um cálculo, dentro do regime de competência (visão contábil), isto é, os valores referem-se aos eventos registrados na data da transação e não na data em que os pagamentos foram efetuados ou recebidos.

Esse tipo de relatório ajuda os gestores a terem uma visão mais realista sobre as decisões que devem ser tomadas, a fazer provisões mais realistas e a saber se existe viabilidade econômica para determinados investimentos.
Além dos benefícios gerenciais que a análise desse relatório pode trazer, o DRE é uma das demonstrações em que a Receita Federal analisa se todos os impostos devidos pela empresa foram calculados corretamente e se não há sonegação.

3. Balanço Patrimonial

O Balanço Patrimonial demonstra os valores materiais da empresa de maneira qualitativa e quantitativa. Este documento precisa ser registrado em dois grupos específicos, que permitem uma melhor compreensão e análise da situação contábil da empresa. O ativo, referente ao uso de recursos, e o passivo, sobre a fonte de recursos

Ele representa uma posição ou situação do patrimônio da empresa (Patrimônio Líquido = Ativo – Passivo) em determinado período e serve para acompanhar o desempenho da empresa e entender que rumos ela está tomando.

Embora esse item seja obrigatório mediante a legislação vigente, muitos empreendedores não o executam de forma eficaz, isso porque muitas das vezes não sabem com exatidão como proceder.

4. Demonstrativo de Fluxos de Caixa (DFC)

É um relatório que apresenta uma visão gerencial das finanças. É através deste documento que se pode identificar de onde vem e para onde vai o dinheiro da empresa. Porque detalha as transações financeiras concluídas, independentemente das datas das negociações. Ou seja, aponta o dinheiro que, de fato, entrou e saiu do caixa.

Esta análise é feita em três categorias diferentes, cada qual com suas respectivas contas. São elas as atividades operacionais, as de investimentos e de financiamento.

Com a atualização diária de um Fluxo de Caixa bem elaborado é possível saber quanto entra e sai do caixa, de onde vem e para onde vai o dinheiro, quando e porquê. Além disso, o Fluxo de Caixa possibilita uma visão real da liquidez do negócio, a partir do comparativo entre o previsto e o realizado para cada conta e sub-conta gerencial das entradas e saídas.

Para facilitar esse controle, é importante utilizar um sistema de Fluxo de Caixa com plano de contas gerencial. Porque você precisa de uma ferramenta prática que apresente os dados financeiros detalhados para conseguir identificar as informações-chave para as tomadas de decisão.

Vantagens dos relatórios fundamentais

Como você pôde ver, cada um destes relatórios tem uma função específica e é indispensável para a gestão do negócio. Perceba que, juntos, eles possibilitam que você tenha uma visão econômica e financeira da empresa e saiba o que fazer para resolver os problemas de lucro, liquidez e rentabilidade.

Portanto, aproveite este conhecimento, continue se atualizando e organize o seu financeiro. Assim você poderá assumir, de verdade, o controle das finanças e passar a obter resultados satisfatórios em seu negócio!

O que é e o que não é lucro

Construa uma base sólida na gestão financeira do negócio. Entenda o que é e o que não é lucro e realize seus planos!

contando moedas

Com o início do ano, surgem novas esperanças para a vida e os negócios. Este é o momento de recomeçar e, com a mente aberta a novos conceitos, fazer acontecer. Mas, para que o sonho se realize, é preciso construir uma base sólida na gestão financeira. Então comece com o esclarecimento sobre o que é e o que não é lucro.

O problema de não saber o que é e o que não é lucro

A confusão em torno deste conceito sempre foi um dos maiores vilões dos empresários. Pois, ao pensar no lucro de forma equivocada, essas pessoas perdem dinheiro dentro da própria empresa.

A cilada dessa confusão de conceitos, em uma empresa, é achar que o que sobra no caixa é lucro. Esse engano induz seus gestores a utilizar o dinheiro sem um controle adequado sempre que o caixa fica positivo. E, às vezes, o dinheiro é usado para gastos pessoais dos sócios, prejudicando a saúde financeira do negócio.

Só que, inevitavelmente, chega o dia dos pagamentos e acontece de não ter o suficiente para as contas. Porque o dinheiro do caixa não é o lucro e sim a liquidez da empresa! Isso quer dizer que esse dinheiro é a quantia disponível que a empresa tem, para pagar os compromissos assumidos, tais como, comissão, impostos, fornecedores, salários etc.

Na falta, entra em cena a fábrica de dinheiro: atraso de pagamentos, utilização de cheque especial, empréstimos e desmobilizações. Só que isso resulta em pagamentos de juros e parcelas, e a consequência é a diminuição do resultado econômico (lucro).

Então é preciso que você saiba quanto dinheiro tem e quando vai utilizar, para evitar imprevistos. Por isso é importante controlar tudo que entra e sai, comparando o previsto com o realizado. E a melhor forma de fazer esse controle é utilizando um Fluxo de Caixa com plano de contas gerencial.

O lucro não determina o que pode ser gasto

Muita gente considera o recebimento de parcelas de clientes e a quantia recebida no dia como o lucro apontado pela contabilidade. Entretanto, esse é um engano comum que leva grande parte das empresas a ter sérios problemas financeiros. Porque, na verdade, trata-se de dois regimes completamente diferentes.

Um é o regime de competência, que apresenta a visão contábil das finanças da empresa. Neste, as vendas, o custo e as despesas são contabilizadas na data da transação, independentemente do recebimento ou pagamento.

E o outro é o regime de caixa, que mostra a visão gerencial dos números do negócio. Neste, as entradas e saídas de caixa são contabilizadas no momento que o dinheiro entra ou sai, sem considerar a data de transação.

Quando o financeiro administra o dinheiro da empresa olhando apenas para os números da contabilidade, acaba assumindo compromissos financeiros que não pode honrar. Porque foi registrado um lucro específico, devido à transação comercial já concluída, mas nem sempre o dinheiro entrou no caixa (como no caso de vendas a prazo).

A verdade sobre o que é lucro

Lucro é a diferença positiva entre as vendas, o custo e as despesas no regime de competência. Portanto, é um número que a contabilidade aponta, referente ao que foi negociado com os clientes, mas que não necessariamente terá entrado no caixa da empresa.

Então a informação que você recebe da contabilidade descreve uma história que já aconteceu (negociação com clientes e fornecedores), mas não diz respeito à liquidez da empresa, que é o saldo positivo do resultado final de caixa.

Dessa forma, podemos dizer que, comparado ao Fluxo de Caixa, que é um “fato”, o lucro é uma “opinião”. O Fluxo de Caixa (visão gerencial) retrata o que realmente acontece financeiramente na empresa e o lucro (visão contábil) conta a sua história econômica.

O caminho para as realizações

Por outro lado, se você tiver uma visão gerencial das finanças, além da visão contábil, terá um retrato sem distorções dos números do negócio e poderá acabar de vez com a falta de dinheiro para pagar as contas do dia a dia.

Portanto, se você quer começar 2019 “com o pé direito” nos negócios, reveja seus conceitos e a forma de gerenciar as finanças da empresa. Comece a utilizar um Fluxo de Caixa para registrar e controlar o dinheiro que entra e sai do caixa e suas projeções futuras.

Assim você estará no caminho certo para ter êxito na realização dos planos para o negócio neste novo ano!