Arquivo da tag: Administração e Finanças

O que é preciso no planejamento para abrir uma empresa

Saiba o que fazer antes de abrir uma empresa e evite problemas por falta de planejamento.

Existem bons empreendedores que têm o dom de construir algo de valor para as pessoas com praticamente nada. Mas que, por falta de planejamento para abrir uma empresa, depois se veem obrigados a abrir mão do seu sonho. Entretanto, os problemas podem ser evitados, antes mesmo da empresa ser aberta, se alguns cuidados forem tomados na fase inicial.

Defina seu negócio

O seu negócio tem uma função que vai além da entrega do seu produto, mercadoria ou serviço. Essa função está relacionada às necessidades que as pessoas buscam saciar ao procurarem o que você oferece. Isso quer dizer que elas não compram o que e o como você faz, exatamente, mas o porquê você faz.

Partindo deste princípio, identifique qual é o propósito do seu negócio, que é estabelecer um modo único e autêntico por meio da qual a sua marca fará a diferença. Esse deve ser o seu ponto de partida em todas as ações da empresa. Sua equipe deve estar alinhada com este conceito em todas as frentes para que o seu cliente entenda.

Estude o mercado e a concorrência

É preciso saber o que as pessoas estão buscando para resolver a sua dor, em seu ramo de atuação. Também o que o mercado tem oferecido, quais preços costumam ser cobrados, qual a relação do preço da concorrência com os benefícios oferecidos e quais as marcas mais procuradas, bem como o motivo.

Além disso, analise seus pontos fortes e fracos diante do mercado, suas oportunidades e ameaças. São informações que lhe darão base para montar sua estratégia e direcionar a condução das suas ações, ao abrir uma empresa.

Considere a importância do plano financeiro para abrir uma empresa

Será no plano financeiro que você construirá o alicerce do seu negócio para não faltar dinheiro para pagar as contas do dia a dia. Por isso, faça uma análise orçamentária e, com base no seu capital inicial, avalie quais investimentos são necessários e quais podem ser deixados para um segundo momento, no processo de abertura da empresa.

Não caia na tentação de gastar mais do que você tem! É melhor começar pequeno, construindo a base aos poucos, do que gastar tudo o que você tem na implantação do negócio e começar com dívidas e juros que comprometerão a sua liquidez.

Estabeleça um controle de Fluxo de Caixa diário

Após a abertura do negócio, o plano financeiro deve continuar. Portanto, crie uma rotina diária de controle de Fluxo de Caixa! Registre tudo o que entra e sai do caixa, quando, quanto e por qual motivo. A partir dessas informações, faça uma estimativa para os próximos meses e use o comparativo do previsto com o realizado para tomar as decisões futuras.

Esse controle diário e previsão de gastos é o que vai garantir a segurança financeira da sua empresa! Para isso, recomendamos a utilização do Sistema Fluxo de Caixa Online. Ele possibilita fazer lançamentos de forma rápida, de qualquer dispositivo conectado à internet, com relatórios detalhados e de fácil interpretação. Assim você conseguirá identificar situações críticas com antecedência e poderá tomar as medidas certas, assegurado por números reais e precisos.

Com esses cuidados seu negócio ficará muito bem estruturado e você poderá resolver o problema de diversas pessoas com o seu produto, mercadoria ou serviço, enquanto realiza o seu sonho de empreender.

A descoberta de Henrique para sua organização financeira

Tenha total controle da sua organização financeira utilizando o Fluxo de Caixa!

Henrique era um garoto esperto e cheio de planos, mas tinha dificuldade em realizá-los por causa da sua falta de organização financeira.

Tudo começou quando insistiu em comprar um celular a prazo antes de juntar o valor total e comprar à vista. Como ele recebia uma mesada do pai e alguns trocados da sua mãe a cada semana, combinou com o pai que seriam descontadas parcelas da sua mesada durante alguns meses e ainda sobraria um pouco para colocar créditos no celular novo.

Faltou dinheiro para pagar a conta

O problema é que Henrique não considerou essa dívida e manteve seu velho hábito de comprar sorvete fiado para pagar no final do mês. Ainda assim, ele poderia ter usado o trocado que recebia da mãe semanalmente, mas preferiu gastar comprando figurinhas e guloseimas e manter o pendura na sorveteria.

Quando chegou o dia de pagar o sorveteiro, não tinha o suficiente e teve que pedir um adiantamento ao seu pai, que não se opôs, mas cobrou uma pequena taxa de juros.

O acúmulo de dívidas ficou insustentável

Passado o susto, o menino continuou com a mesma rotina: sorvete fiado à vontade, figurinhas e guloseimas compradas com o trocado semanal e já pensava em colocar créditos no celular quando recebesse a próxima mesada.

Mas no final do mês não teve o que receber. Sua mesada estava toda comprometida com as parcelas que devia ao pai (referentes à compra do celular e ao adiantamento para pagar o pendura da sorveteria).

Henrique ficou desesperado! Não tinha dinheiro novamente para pagar o sorveteiro e ainda ficaria sem créditos no celular. Estava em pânico, pois sua dívida aumentava a cada mês e estava totalmente fora de controle. Desse jeito seu pai ia acabar cortando a sua mesada.

Como sair do círculo vicioso da falta de dinheiro

Ao ser procurado de novo, o pai manteve a regra em relação ao parcelamento com juros, mas explicou para o menino que a única forma dele conseguir resolver esse caos financeiro seria planejar o que comprar, de acordo com a sua renda mensal, e anotar as datas em que as contas deveriam ser pagas.

– Se você tomou sorvete o mês inteiro e pendurou a conta, então não pode considerar que já está pago e esquecer de guardar dinheiro, filho! O valor que tem na sua carteira, só poderá ser gasto com figurinhas e guloseimas se você já tiver reservado o que vai precisar para pagar o sorveteiro. E se quiser colocar créditos, terá que guardar mais um pouquinho antes de começar a gastar com outras coisas.

Segredo para a organização financeira

Pai e filho fizeram uma planilha com as datas em que o menino recebia a mesada e os trocados da mãe e com as datas do pagamento das contas. Dessa forma o garoto percebeu que se parasse de gastar o trocado da semanada ou deixasse de fazer o pendura no sorveteiro, teria condições de pagar as dívidas e em breve seu dinheiro estaria disponível novamente.

– Puxa! Você que inventou isso, pai?

– Não, filho! – respondeu o pai, achando graça da ingenuidade do menino. – Essa forma de organização financeira já existe e é muito usada por empresários. É chamada de fluxo de caixa e serve para mostrar a realidade financeira das empresas, assim como mostrou a sua.

– Que legal! – respondeu o garoto, cheio de admiração.

Após alguns meses, Henrique não só conseguiu pagar as dívidas que tinha feito, como sentiu o sabor de ter o controle da situação. Ele era apenas uma criança, mas se sentia grande. Estava crescendo… não só em estatura, mas em entendimento.

A verdade sobre os problemas financeiros

Entenda a verdade sobre os problemas financeiros e como resolvê-los com o fluxo de caixa!

Atualizado em 04/09/2018 – Você já ouviu alguém dizer que a grama do vizinho é mais verde? Quando nós olhamos para os nossos problemas financeiros, é comum pensarmos que eles são piores que os das outras pessoas e facilmente buscamos uma “boa” justificativa para nos mantemos em nossa zona de conforto.

 

O seu problema financeiro não está na economia do país

O mercado, a concorrência, os bancos, os juros, os devedores, a economia do país… Sempre se encontra uma justificativa externa para os problemas financeiros da empresa. E é verdade que muitos destes fatores dificultam a vida do empreendedor brasileiro, mas, quando se fala de empreendedorismo e finanças, tanto a causa quanto a solução, na maioria das vezes, estão dentro de casa.

Elimine as crenças limitantes

Faz parte da nossa cultura a resistência a assuntos de finanças. Aprendemos fórmulas prontas, mas não fomos ensinados a interpretar os números. Além disso, muitas pessoas tiveram crenças limitantes alimentadas durante a infância, como a ideia de que só se pode ter dinheiro quando se nasce em “berço de ouro”. Crenças herdadas que inibem suas ações e as impedem de crescer.

Então, quando a pessoa decide empreender, alimenta um sonho, faz acontecer, mas, muitas vezes, trava na gestão financeira. Entretanto, vale considerar que sempre há tempo para recomeçar, buscar novos conhecimentos e se permitir viver uma nova história, livrando-se dos “fantasmas da mente”.

 

Entenda os conceitos básicos de finanças

O primeiro passo para sair do vermelho é buscar conhecimento. É importante entender conceitos básicos de finanças como a diferença entre regime de caixa e regime de competência, lucro e liquidez, custo e despesas, pois serão úteis na hora de organizar as finanças da empresa.

No artigo “Terminologia da administração financeira” você encontrará esses e muitos outros conceitos financeiros básicos que o ajudarão em sua pesquisa.

Saiba identificar a raiz dos problemas financeiros

Aprender a interpretar os números do negócio é fundamental para entender como a sua operação funciona e o que você pode fazer para acabar com a perda de dinheiro. Para isso é preciso saber quanto entra e sai do caixa, quando e porquê. Além disso, é importante fazer uma previsão de entradas e saídas futuras, para evitar que falte dinheiro no caixa em dias de pagamento, e também para se preparar para situações de imprevistos.

Organize as finanças com um Fluxo de Caixa

Este controle financeiro pode parecer difícil se você pensar em “informações soltas”. Mas não recomendamos que você faça isso sem o auxílio de uma ferramenta apropriada. É preciso elaborar um Fluxo de Caixa, no qual você faça lançamentos diários das entradas e saídas de dinheiro no caixa, registre a sua previsão para os meses seguintes e possa extrair relatórios comparativos.

Analise o Fluxo de Caixa diariamente

Com a utilização diária de um Fluxo de Caixa você consegue ter uma visão geral das finanças da empresa e identificar a real causa da falta de dinheiro para pagar as contas do dia a dia. Além disso, você economiza tempo, reduz riscos, simplifica a gestão financeira e, no caso de um Fluxo de Caixa Online, você consegue tomar decisões com base nos números do negócio em tempo real.

 

O futuro da empresa depende das suas escolhas

O velho ditado só é válido enquanto você acredita nele. Porque tudo depende da forma como você enxerga a situação e das ações que você toma. A “grama mais verde” pode ser a sua, se regada adequadamente! Portanto, se você quer sair do buraco, reveja seus conceitos, descubra a verdade sobre seus problemas financeiros e recomece!

A importância do Fluxo de Caixa

Falta dinheiro para pagar as contas do dia a dia? Mude a situação do seu negócio com o fluxo de caixa!

A empresa está alcançando as metas de venda, a contabilidade informa que a operação está gerando lucro, mas frequentemente falta dinheiro para pagar as contas do dia a dia? Cuidado! Sua empresa pode estar quebrando por falta de um Fluxo de Caixa que mostre a verdade sobre a liquidez do seu negócio!

E se você olhar em volta vai perceber que essa é a realidade de grande parte dos empresários. Sabe por quê? Simples! O empresário brasileiro não recebeu educação financeira na escola e em seu lar. Em um país onde os professores aprenderam em um modelo velho (decorar fórmulas prontas) e precisam ensinar de modo novo (pensar e criar cenários), é natural que a gestão financeira seja encarada como um desafio para muitos.

Mas, diferente do que a maioria imagina, planejar, controlar, avaliar e entender os números do negócio não é algo tão difícil. Com a atualização diária de um Fluxo de Caixa bem elaborado é possível saber quanto entra e sai do caixa, de onde vem e para onde vai o dinheiro, quando e porquê. Além disso, o Fluxo de Caixa possibilita uma visão real da liquidez do negócio, a partir do comparativo entre o previsto e o realizado para cada conta e sub-conta gerencial das entradas e saídas, e com o Demonstrativo de Resultado (DRE) sabemos se a operação teve lucro ou prejuízo.

Essas são informações imprescindíveis para evitar cair na armadilha da “fábrica de dinheiro”, como: cheque especial, empréstimo, antecipação de recebíveis etc… e direcionar as decisões para evitar imprevistos no futuro. Sabendo o que aconteceu e o que provavelmente acontecerá, em relação às entradas e saídas de dinheiro, podem ser feitos ajustes durante o percurso, como, por exemplo, programar os pagamentos em datas próximas aos recebimentos, para garantir que terá o dinheiro disponível quando preciso, evitando gerar juros.

O fato é que, sem o devido controle, é muito comum que os empresários não saibam como o lucro e a liquidez se relacionam, como gerar recursos para o financiamento das suas operações e como determinar o capital de giro necessário. Acredite, faça de forma diferente e muito provavelmente você vai encontrar o caminho para reverter a situação e mudar a história do seu negócio.

Por que as empresas não ganham dinheiro?

Ninguém está livre de cometer erros. O segredo, porém, é descobri-los a tempo e ter atitude para resolver problemas.

Acredito que toda empresa, ainda que uma vez, já tenha passado por uma crise, seja ela resultado de descontrole financeiro, investimento errado, falta de controle no estoque, conflito entre sócios, perda de clientes, falta de integração da equipe etc…

Em muitos casos a atitude do executivo é empurrar com a barriga, esperando que um grande milagre ocorra ou consiga um sócio capitalista para cobrir o rombo.

Como as empresas são idealizadas, estruturadas, administradas por pessoas para atender pessoas, é na capacidade de lidar com pessoas que reside o fracasso ou sucesso de um empreendimento.

Vamos estruturar esta linha de pensamento baseado em 03 níveis de pessoas:

1. Empreendedor

Até recentemente as pessoas eram preparadas para vender de 08 a 12 horas diárias dos seus próximos 35 a 40 anos de saúde e disposição em troca de um salário, treinamento, proteção das adversidades, tanto no presente quanto no futuro, e a aposentadoria complementar. E o seu sonho?

Enquanto isso as escolas não ajudam a descobrir os talentos naturais e como usá-los e passam anos ensinando a decorar fórmulas, repetir receitas e a não correr riscos.

Empreender é aprender com os erros, ter experiências próprias, exercitar a criatividade (habilidade de ter ideias e fazer a escolha certa) e inovação (habilidade de colocá-las para funcionar de maneira diferente) para atrair pessoas que valorizam o que sua empresa sabe fazer e pague por isso.

2. Funcionário

As empresas estão perdendo um dos seus principais ativos – o capital humano – com isso perde-se história e conhecimento. Estabeleça os direitos e deveres e tenha uma equipe que perceba que pode crescer e se desenvolver junto com a empresa.

A estratégia da empresa deve ser apresentada à equipe para que tenham uma visão clara do que isso significa para a empresa a longo prazo, cuidando para que cada um desempenhe o papel necessário para que as diretrizes (objetivo + meta + tempo) por departamento sejam alcançadas.

Não adianta só treinamento, é preciso desenvolver uma equipe que pense, execute, resolva e tenha iniciativa, disponibilize informações e estabeleça indicativos para que os funcionários não executem as tarefas de acordo com o seu julgamento pessoal.

Sistema Tradicional
Empreendedor Resolve problema
Gerência Apaga incêndio
Funcionários Sem rumo

 

Sistema Ideal
Empreendedor Estabelece o planejamento
Gerência Define os procedimentos e as diretrizes
Funcionários Resolvem os problemas, de acordo com um método

 

3. Cliente

O maior ativo de qualquer empresa é o cliente que foi obtido pela reputação, atendimento ou referência. É importante entender que a essência de qualquer negócio é servir pessoas para satisfazer uma necessidade, desejo ou desconforto, busque se relacionar com educação e respeito e que apesar de representar o básico, dificilmente são encontradas na maioria das empresas.

Cliente fidelizado volta a comprar o produto ou serviço da empresa e ainda indica para outras pessoas. Isso é o boca-a-boca, uma das ferramentas mais poderosas de marketing. É importante ressaltar que o consumidor não estabelece relação com a empresa, mas com as pessoas que os atendem.

Leia também

É fundamental conhecer Os Números do Negócio.

Os 07 maiores erros na gestão empresarial

Devemos evitar erros na gestão empresarial para aproveitar melhor os recursos e o tempo investido.

Se administrar é fazer escolhas, devemos buscar acertar sempre, caso contrário os recursos e tempo investidos serão desperdiçados.

  1. Vença o medo

    Medo nada mais é do que a ausência do conhecimento e a falta de experiência sobre algo. Avalie quais são os seus talentos, aptidões e competências para administrar um negócio. Enfrente as situações que causam frio na barriga, experimente os limites da sua capacidade, procure enxergar oportunidades onde muitos só vêem ameaças e principalmente tenha clareza sobre o que fazem.

  2. Tenha um horizonte

    Elabore um plano de negócios, que nada mais é do que colocar no papel uma simulação de como a empresa funcionará, através de: viabilidade de mercado, análise da concorrência, avaliação do diferencial competitivo, elaboração de um planejamento operacional, financeiro, tributário e fiscal.

  3. Volte-se para o cliente

    A verdade é que na maioria das vezes o cliente acaba sendo esquecido em boa parte das decisões tomadas pelas empresas.

    É fundamental entender que eles não compram produtos e/ou serviços, mas um pacote de conveniências que lhe proporcione uma maior percepção de valor (algo que ultrapasse o fator preço) como: entender a necessidade, desejo ou desconforto, oferecer uma solução adequada, fazer de forma simples e cumprir o prometido.

    O ato da compra tem pouco a ver com o lado racional e tudo a ver com o lado emocional. Pode parecer difícil de compreender, mas ao comprar algo não estamos em busca exatamente de um produto ou serviço. Algumas vezes, buscamos uma solução para os nossos problemas, porém na maioria das vezes queremos mudar nosso estado emocional: de desânimo para ânimo, de tristeza para alegria.

  4. Gaste menos do que se ganha

    Muitas pessoas sentem certa rejeição diante dos termos do mundo das finanças como Planejamento Orçamentário, Fluxo de Caixa, Ponto de Equilíbrio, Demonstrativo de Resultado e Balanço Patrimonial.

    Números são meros reflexos das decisões que se toma. A gestão de negócio não pode acontecer ao sabor das circunstâncias. Saiba a diferença entre receita, custo e despesa e como estabelecer lucro, liquidez e rentabilidade.

    Todo problema financeiro é conseqüência de um problema operacional. Cuidado com excesso de controles para não perder a agilidade.

  5. O Lucro pode estar no estoque

    A maior parte das saídas de dinheiro de uma empresa está no setor de compras. Quando as compras são erradas, excessivas e mal planejadas aumenta a necessidade de capital de giro e compromete a saúde financeira. É muito comum uma empresa não ter o exato conhecimento da variedade de itens, da quantidade estocada e do capital investido. Para tanto, alguns controles são fundamentais:

    • Custo da Mercadoria, Produto ou Serviço vendido;
    • Margem de Contribuição unitária;
    • Giro de Estoque;
    • Estoque mínimo;
    • Pedido de compra;
    • Estoque Segurança.
  6. Atraia as pessoas certas

    As empresas buscam efetividade e flexibilidade para se adaptar às novas diretrizes do mercado, enquanto os funcionários almejam a segurança do seu emprego e a remuneração. Precisamos ajudar as pessoas a descobrirem seus talentos, com isso desenvolverão confiança, estima e terão a chave para a auto realização, pois vão perceber que podem crescer e aprender com a empresa. É fundamental dar treinamento para desenvolver, na equipe, a capacidade de aprender fazendo, disponibilizar procedimentos para não executarem as tarefas de acordo com o seu julgamento pessoal, estabelecer indicadores representativos para avaliar sua performance, criar um programa de participação nos resultados e estimular o trabalho em equipe.

  7. Monitore de perto a informação

    Antes de comprar um sistema de gestão é necessário mapear todo o processo do negócio para dimensionar o mais adequado (cuidado que o barato sai caro).

    Todas as informações têm algum tipo de significado, servem para que se faça um acompanhamento em tempo real e para desenvolver indicadores que informem situações críticas com antecedência.

Leia também

O que é Fluxo de Caixa.