Projeto DSD Consultores

Administração, Brasil, Dívida Pública, Fiscal Tributária - 27/01/2015

O PIB, a arrecadação, o descalabro e a indonésia

O PIB sobe? – Não, cai. / Então a arrecadação cai? – Não, sobe. / Então a sonegação terminou? – Não, só aumenta.

Que País é esse? O que estão fazendo com ele?

Sempre negativamente, desafortunadamente.

2014 terminou. Eles ficarão mais 4 anos. E começam a aparecer os primeiros números e surpresas.

A arrecadação bateu recorde: R$ 1,852 trilhão. Em 2013, ela totalizou R$ 1,702 trilhões. Assim, constatamos um inacreditável acréscimo de R$ 150 bilhões. Um crescimento de 8,81% contra um PIB que por mais de uma década não avança o mínimo necessário, sendo que o de 2014 deve ficar igual, ou menor, ao de 2013 que ficou na casa de US$ 2,2 trilhões ou R$ 4,840 trilhões. Deve ficar igual, ou menor (ainda não temos a apuração oficial), na expressão em dólar, que é a moeda utilizada para a apuração mundial, pois realmente não crescemos e a cotação do dólar internamente oscilou para cima no ano, saindo de R$ 2,35 para R$ 2,65.

A EIU – Economist Intelligence Unit emitiu um relatório na primeira semana de 2015, no qual a Índia toma o sétimo lugar do Brasil no ranking do PIB das maiores economias mundiais. Nesse estudo, a Índia cresceu, em 2014, de US$ 2,2 para US$ 2,5 trilhões, enquanto nós caímos de US$ 2,2 para US$ 2,1 trilhões.pib

Com esse dramático cenário, podemos concluir que nossa carga tributária alcançará 37%, algo nunca antes visto nesse país. Só como parâmetro, FHC governou mantendo uma média de 25% de carga tributária.

Mas a esdrúxula situação do Brasil não pode (infelizmente) ser considerada surpreendente, pois se repete sistematicamente nos últimos anos.

Uma das explicações para tal disparate (PIB minguando e arrecadação “bombando”) seria o recrudescimento da fiscalização, através do aumento das obrigações e controles cada vez mais mirabolantes, que é imposta pelo fisco aos contribuintes.

Porém, constatamos outros dados surpreendentes:

A chamada Economia Informal não para de crescer no Brasil. Vejamos abaixo a evolução da produção e comercialização de bens e serviços que não pagam nenhum imposto:

2007: R$ 515,6 bilhões
2009: R$ 597,9 bilhões
2011: R$ 702,7 bilhões
2013: R$ 787,4 bilhões
2014: R$ 833,9 bilhões

Como vemos, caminhamos a passos largos para alcançarmos a inacreditável cifra de R$ 1 trilhão na economia subterrânea. E o que aqui agora demonstro já foi constatado pelo IBPT: ainda existe uma sonegação fiscal no Brasil de 25,05%.

Como, pelo menos, estamos livres daquele ministro mantegoso, a nova equipe econômica já anuncia uma previsão real de um 2015 sem crescimento e com aumento de impostos. Assim, parece inevitável que caminhamos matematicamente para uma carga tributária próxima a 40%.

Mas o que incentiva o crescimento da Economia Informal? Não seria para fugir de uma carga de impostos que capturam 40% do que foi produzido, não oferecendo em troca nenhum benefício?

Creio que sim.

E o que esse governo faz? Um maligno descalabro.pib

Diminui a carga tributária? Não, aumenta.

Combate a sonegação? Não, é conivente e até beneficiário, como vemos no desdobramento dos infinitos escândalos que nos assolam.

Conivente porque hoje o governo tem o maior Big Data Tributário do mundo. Todos os números aqui descritos são de total conhecimento dos órgãos fiscalizadores. Eles sabem que segmentos sonegam, quanto sonegam e onde sonegam. Em encontros rotineiros, eles vangloriam-se de toda essa informação. Mas o que fazem? Combatem? Não, aumentam impostos.

No aumento de impostos anunciado no começo desse mês, a pretensão é conseguir um acréscimo de R$ 20 bilhões na arrecadação. Quem serão os atingidos por esses aumentos de impostos? Os sonegadores?

Não, aqueles mesmos que hoje já pagam 37% do que produzem.

Se tivéssemos um governo sério (como da Indonésia, por exemplo), em vez de aumento de impostos ele combateria a sonegação. Se, em 2014, a sonegação fosse reduzida em 50% (visando chegar perto de padrões de países desenvolvidos) teríamos um montante suplementar de R$ 417 bilhões migrando para a economia formal, o que geraria um acréscimo na arrecadação de R$ 154 bilhões.

O que é mais inteligente (pra falar o mínimo): aumentar impostos para arrecadar mais R$ 20 bilhões ou combater a sonegação e conseguir R$ 154 bilhões?

Já sei o que você vai me responder: o quesito inteligência não é presente nesse governo, tenho que concordar. Mas lembre-se que precisamos ser mais apurados na escolha.

Já que, por acaso, citei a Indonésia, termino elucubrando que o presidente daquele país, que cresce rotineiramente 5% ao ano e tem uma carga tributária de apenas 12%, poderia passar um período aqui e eliminar também toda a cúpula da bandidagem que hoje nos atormenta.

Marco Antonio Pinto de Faria

Bacharel em Ciências Contábeis, Administrador de Empresas, Auditor, Presidente e Fundador do Grupo SKILL composto por empresas atuantes no mercado há 34 anos, oferecendo serviços de Consultoria Tributária, Contabilidade e Tecnologia da Informação. Integrante do IBRACON – Instituto dos Auditores Independentes do Brasil.

Escrito por:
Francisco Barbosa Neto

Diretor da DSD Consultores, iniciou sua atividades em 1989 com atuação em Gestão Empresarial. Como consultor, tem ajudado as pessoas a não perderem dinheiro com o seu negócio, mostrando uma nova maneira de pensar, agir e medir com relação à gestão financeira.

mautic is open source marketing automation